Notícias

Newsletter

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Presidente do CNJ ouve demandas de juízes goianos

Em visita ao Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), a presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, reuniu-se com magistrados para colher informações sobre os desafios enfrentados na execução penal e de medidas socioeducativas no estado. Em encontro realizado após reunião com autoridades goianas na segunda-feira (8/1) para tratar da crise no sistema penitenciário, a ministra ouviu dos juízes as principais dificuldades enfrentadas no dia a dia. A presidente do CNJ questionou os magistrados a respeito de possíveis falhas na realização das audiências de custódia. Ao destacarem que as audiências estão sendo feitas, inclusive nas comarcas do interior, eles informaram dificuldades enfrentadas para garantir o direito de defesa dos presos. De acordo com os juízes, nem sempre advogados e defensores públicos comparecem às sessões. Responsáveis pela aplicação de medidas socioeducativas a adolescentes em conflito com a lei destacaram graves problemas no sistema mantido pelo Governo de Goiás. Os magistrados relataram, entre outras falhas, a falta de vagas nas unidades de internação e até mesmo problemas no fornecimento de alimentos aos menores apreendidos. “Vamos pedir uma reunião com o governador para tratar especificamente dessas questões”, disse Cármen Lúcia. Destruição de armas No encontro com o presidente do TJGO e com outras autoridades do sistema de Justiça, a ministra cobrou empenho do tribunal no encaminhamento de armas para destruição.Esses armamentos são os considerados desnecessários, pelos juízes, para a continuidade e instrução dos processos judiciais. “Observamos que o TJGO encaminha poucas armas para destruição, cerca de 750 por mês”, afirmou a ministra. Segundo Cármen Lúcia, armazenadas nos fóruns, essas armas, muitas vezes, acabam nas mãos de criminosos. O presidente do TJGO, desembargador Gilberto Marques Filho, informou à ministra que o montante apreendido e encaminhado cresce mensalmente e, apenas durante o último recesso, 2.500 foram recolhidas. Em novembro de 2017, foi assinado um Acordo de Cooperação Técnica entre a presidente do CNJ) e o Comandante do Exército Brasileiro, General Villas Bôas, para a retirada de armas de fóruns de todo o País. Em um mês, houve o recolhimento de mais de 100 mil unidades. Por determinação legal, o material é entregue ao Exército para ser destruído. Pelo acordo, cabe ao CNJ estabelecer parceria com os tribunais para que estes enviem ao Exército as armas de fogo e munições apreendidas. Ao Exército, cabe indicar as unidades responsáveis pelo recebimento das armas de fogo e munições recolhidas pelo Poder Judiciário e adotar medidas para acelerar o procedimento de destruição ou doação. Thaís Cieglinski Agência CNJ de Notícias
09/01/2018 (00:00)
Visitas no site:  14532
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.